segunda-feira, 2 de abril de 2012

Custo do parlamentar no Brasil...

video

Ações ousadas do Presidente ABP...

Ações ousadas do atual presidente da ABP - Antonio Geraldo, de Brasília

1\ É  ativo até hoje na defesa do psiquiatra e da psiquiatria

2\ Quebrou a espinha dorsal daquela "sudestestada de elite" - grupo que teima em  não interiorizar a Assoc. Bras. Psiq, fora do eixo rio-sp-sul.

3\ valoriza o "resto"  da psiquiatria no Brasil,  "resto quer dizer" : centro-oeste, nordeste, norte. ( e que tem sempre sido tratada como "resto" ).   Nisto, e em outros ítens abaixo, tem semelhança com outro brasiliense da ABP,  também com raizes no NE, com excelente gestão, Josimar França.

4\ quebrou a espinha dorsal da "psicanalistada"  ( grupo que insistia em não diferenciar psiquiatras de psicanalistas e, consequentemente, de psicólogos ) - inclusive permitindo que psicólogos ( os atuais principais "inimigos" do Ato Médico ) fizessem parte "oficial" da ABP.

5\ quebrou a espinha dorsal do onipresente eixo - Rio-SP-Sul

6\ é  combativo em dizer a verdade do que ocorre entre governo e psiquiatras ( querem tirar o médico da saúde mental )  ou melhor , querem tirar o médico do governo, tout court.

7\ é  combativo  em dizer a verdade do que ocorre entre psicólogos e psiquiatras ( querem tirar o médico de qualquuer lugar ).

8\ tem quebrado , em revistas de psiquiatria, o espírito de "escalas", "estatisticismo", "americanismo', "tesecismo" ( publicações de versões resumidas de teses de psicólogos em cursos de pós-graduação de "psiquiatria" ). "paulistanismo", "psicologismo" ( revistas de psiquiatria dominadas por psicólogos só falando de "validação de escalas" internacionais, preenchimento de questionários epidemollógicos por estudantes de psicologia , etc ), "grupismo" ( favorecimento editorial do eixo rio-sp ).

9\  tem valorizado , em revistas psiquiátricas, o "psiquiatra clínico" , aquele que, hoje, não lê nada de interessante em revistas de psiquiatria (na verdade,  "revistas de escalas preenchidas por psicólogos e teses de mestrado" , ou senão "revistas de biologia molecular" ) . Revistas onde não há nada de verdadeira psiquiatria, de verdadeira clínica psiquiátrica, aquela que é feita no dia-a-dia dos consultórios e hospitais dos "mortais comuns".

10\ tem divulgado, como pode, quando pode, o que é a psiquiatria, as doenças psiquiatricas, para a sociedade brasileira, tentando desestigmatizá-la.

11\ tem feito um "saneamento" da ABP - tirando grupos, departamentos e pessoas que só pesam para a associação, são o "trenzinho-da-alegria" que frequenta congressos  de graça, hoteis, viagens, etc, e não produz nada para a psiquiatria brasileira.

12\ por isto, vem sendo estigmatizado e sarcasticizado  como "interiorano" pelos "bam-bam-bans" da  "glamourosa psiquiatria do eixo sudeste-sul".

Marcelo Caixeta - médico psiquiatra -  crm go 5059 -  declaração de interesses - não participa de política da ABP, ou outra,  não conhece pessoalmente o atual presidente da ABP, não tem nenhum tipo de relação pessoal  ( economica, politica, afetiva, etc ) com ele, não tem interesse em nenhum cargo eletivo.

ATO DE REPULSA...

ATO DE REPULSA

Quando ouvimos frases como as escritas abaixo, infelizmente temos que engolir e ficar quietos!!!

"O Brasil não é um país sério" (Charles de Gaule).

"Que país é este que junta milhões numa marcha gay, muitas centenas numa marcha a favor da maconha, mas que não se mobiliza contra a corrupção?" (07/07/2011 Juan Arias, correspondente no Brasil do jornal espanhol El País)

Um motorista do Senado ganha mais para dirigir um automóvel do que um oficial da Marinha para pilotar uma fragata!

Um ascensorista da Câmara Federal ganha mais para servir os elevadores da casa do que um oficial da Força Aérea que pilota um Mirage.

Um diretor que é responsável pela garagem do Senado ganha mais que um oficial-general do Exército que comanda uma Região Militar ou uma grande fração do Exército.

Um diretor sem diretoria do Senado, cujo título é só para justificar o salário, ganha o dobro do que ganha um professor universitário federal concursado, com mestrado, doutorado e prestígio internacional.

Um assessor de 3º nível de um deputado, que também tem esse título para justificar seus ganhos,  mas que não passa de um "aspone" ou um mero estafeta de correspondências, ganha mais que um cientista-pesquisador da Fundação Instituto Oswaldo Cruz, com muitos anos de formado, que dedica o seu tempo buscando curas e vacinas para salvar vidas.

O SUS paga a um médico, por uma cirurgia cardíaca com abertura de peito, a importância de R$ 70,00, bem menos do que uma diarista cobra para fazer a faxina num apartamento de dois quartos.

Precisamos urgentemente de um choque de moralidade nos três poderes da união,  estados e municípios, acabando com os oportunismos e cabides de emprego.

Os resultados não justificam o atual número de senadores, deputados federais, estaduais e vereadores.

Temos que dar fim a esses "currais" eleitorais, que transformaram o Brasil numa oligarquia sem escrúpulos, onde os negócios públicos são geridos pela "brasiliense cosa nostra".

O país do futuro jamais chegará a ele sem que haja responsabilidade social e com os  gastos públicos.

Já perdemos a capacidade de nos indignar.

Porém, o pior é aceitarmos essas coisas, como se tivesse que ser assim mesmo,  ou que nada tem mais jeito. Vale a pena tentar.

Participe deste ato de repulsa.

segunda-feira, 12 de março de 2012

O carteiro e o poeta (filme)...

Sinopse:

Por razões políticas o poeta Pablo Neruda (Philippe Noiret) se exila em uma ilha na Itália. Lá um desempregado (Massimo Troisi) quase analfabeto é contratado como carteiro extra, encarregado de cuidar da correspondência do poeta, e gradativamente entre os dois se forma uma sólida amizade.

Elenco:

Philippe Noiret ... Pablo Neruda
Massimo Troisi ... Mario Ruoppolo
Maria Grazia Cucinotta ... Beatrice Russo
Renato Scarpa ... Telegrapher
Linda Moretti ... Donna Rosa
Massimo Troisi (San Giorgio a Cremano, 19 de fevereiro de 1953 — Ostia, 4 de junho de 1994) foi um ator, diretor e poeta italiano, que soube reinterpretar e inovar a tradição napolitana, precocemente falecido por um problema cardíaco.

Troisi nasceu em San Giorgio a Cremano, uma pequena cidade a 4 quilómetros de Nápoles, em uma família muito numerosa: dividia a casa com os pais, cinco irmãos, dois avós, os tios e os cinco filhos deles.
Iniciou sua carreira artística ainda no colégio, com o grupo "I saraceni", juntamente com Lello Arena e Enzo Decaro e outros. Em 1977, estes formaram o trio cômico chamado "La Smorfia" (tirado do nome do "livro dos números" tradicionalmente utilizado em Nápolis para jogar na Loto ou bingo. O trio trabalhou também na televisão e tornou-se nacionalmente famoso.Troisi é conhecido internacionalmente devido ao sucesso de seu filme O carteiro e o poeta (título original : Il Postino di Neruda), pelo qual recebeu uma indicação para um Oscar de melhor ator. Ele trabalhou em outros ótimos filmes, como Ricomincio da Tre (o qual foi exibido ininterruptamente nos cinemas italianos por mais de dois anos), Scusate il ritardo, Le vie del signore sono finite, ou No grazie, il caffè mi rende nervoso.Ele trabalhou, juntamente com Roberto Benigni em "Non ci resta che piangere", no qual eles são transportados para o século XVI por acaso; eles então encontram Leonardo da Vinci, e quando se dão conta da época na qual estão vivendo, decidem ir para Espanha para tentar evitar que Cristóvão Colombo descubra a América.Amigo pessoal do músico e cantor Pino Daniele (que escrevia as trilhas sonoras de seus filmes), ele escreveu as letras destas canções ou adaptou suas poesias.
Troisi morreu repentinamente, ainda jovem, de um ataque cardíaco (ele sofria de uma doença congênita) pouco depois de ter encerrado as filmagens de O carteiro e o poeta, que lhe valeu glória e sucesso.Eduardo De Filippo, ator e escritor napolitano, declarou que Troisi era um comediante do futuro, porém - felizmente - com suas raízes no passado.


Philippe Noiret na Normandia em Outubro de 2003.
Nascimento
1 de Outubro de 1930
Lille
Morte
23 de novembro de 2006 (76 anos)
Paris
Nacionalidade
[França] Francęs
Pręmios
1990 - BAFTA - Cinema Paradiso (melhor ator)
Philippe Noiret (Lille, 1 de outubro de 1930 — Paris, 23 de novembro de 2006) foi um actor francęs. Recebeu dois prémios César e é sobretudo reconhecido pela sua participaçăo nos filmes Cinema Paradiso de Giuseppe Tornatore e Meus Caros Amigos, de Mario Monicelli.
Depois de uma vida acadęmica bastante pífia, Noiret começou como ator de teatro e comediante de cabaré nos anos 1950. Em 1953 foi convidado pela diretora Agnčs Varda para atuar em um papel cinematográfico, ao qual se seguiram muitos filmes até que, em 1966, ele passou a se dedicar exclusivamente ao cinema.
Noiret foi um dos atores mais requisitados do cinema italiano e francęs. Atuou em mais de 150 filmes ao longo de cinco décadas, ganhando maior notoriedade após os sessenta anos de idade onde além de "Cinema Paradiso", do diretor Giuseppe Tornatore (1991), fez também "O Carteiro e o Poeta, de Michael Radford (1994), onde interpretou o poeta Pablo Neruda.
Noiret foi contemplado com dois pręmios César - o Óscar francęs - de melhor ator, em 1976 por "O Velho Fuzil", de Robert Enrico, e em 1990 por "A Vida e Nada Mais", de Bertrand Tavernier, um de seus parceiros mais freqüentes.
Entre os diretores célebres com quem trabalhou incluem-se Alfred Hitchcock em "Topázio", Marco Ferreri em "A Comilança", Phillippe de Broca em "O Corcunda", Francesco Rosi em "Esquecer Palermo" e "Tręs Irmăos", Mario Monicelli em "Meus Caros Amigos" e "O Quinteto Irreverente", Louis Malle em "Zazie no Metrô" e Valerio Zurlini em "Deserto dos Tártaros".
O ator morreu em Paris, aos 76 anos, de câncer no dia 23 de novembro de 2006.
Esteban Antonio Skármeta Branicic (Antofagasta, 7 de novembro de 1940) é um escritor chileno.
 Biografia[Ficheiro:A. Skármeta.jpg]
Esteban Antonio Skármeta Branicic nasceu em 7 de novembro de 1940 em Antofagasta, Chile. Filho de Antonio Skármeta Simunovic e de Magdalena Branicic, é descendente de croatas. Realizou seus estudos secundários no Instituto Nacional General José Miguel Carrera.Skármeta estudou Filosofia e Literatura na Universidade do Chile. Seus estudos de filosofia foram realizados sob a direçăo de Francisco Soler Grima, um filósofo alemăo, discípulo de Julián Marías e de José Ortega y Gasset. Suas teses versam sobre o pensamento desse último. Seguindo a linha de Soler, se interessa pelas filosofias de Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Martin Heidegger. Logo realizou estudos nos Estados Unidos e se graduou na Universidade de Columbia.Por demais, foi membro do Movimento de açăo popular e Unitária (MAPU). Em 1964 se casou com a pintora Cecilia Boisier, com a qual teve dois filhos, Beltrán, escritor e filósofo, e Gabriel, músico.
Em 1969 foi premiado em Havana com o Premio Casa das Américas pelo livro de relatos titulado Desnudo en el tejado.No ano de 1973 era profesor de literatura da Universidade do Chile, e diretor teatral. Já havia produzido um filme sobre a Unidade Popular com o diretor alemăo Peter Lilienthal, no qual publicou mais tarde (1982) a novela La insurrección. Devido ao golpe militar em Chile teve que sair do país em companhia do cineasta Raúl Ruiz. A primeira escala foi Argentina, onde residiu durante um ano. Foi ali que publicou seu livro de relatos Tiro libre. Logo partiu rumo a Alemanha Ocidental onde se dedicou ao cinema. Trabalhou como professor na Academia Alemă de Cinema e Televisăo em Berlim Ocidental.
Na Alemanha escreveu a história de O carteiro e o poeta, primeiro para a rádio alemă e depois para o mundo (1985).Antes de voltar ao Chile, Skármeta se casou com Nora Maria Preperski, com a qual teve um filho chamado Fabián. Em 1989 regressou ao Chile após o longo exílio de 16 anos. Criou um programa de televisăo chamado O show dos livros.Em 1994 estreou a segunda versăo cinematográfica de O Carteiro e O Poeta sob o título El cartero de Neruda no Festival de Veneza. O filme dirigido por Michael Radford e protagonizado por Massimo Troisi, obteve cinco indicaçőes ao Oscar.

Palestra sobre Nazismo e Filosofia...


Os médicos e as putas...

Os médicos e as putas...

Você trabalha em horários estranhos.
Que nem as putas!
Pagam pra você fazer o cliente feliz.
Que nem as putas!
Seu trabalho sempre vai além do expediente.
Que nem as putas!
Seus amigos se distanciam de você, e você só anda com outros iguais a você.
Que nem as putas!
Quando vai ao encontro do cliente, você tem de estar sempre apresentável.
Que nem as putas!
Mas quando você volta, parece saído do inferno.
Que nem as putas!
O cliente quer sempre pagar menos e que você faça maravilhas.
Que nem as putas!
Todo dia, ao acordar, você diz: “Não vou passar o resto da vida fazendo isso!”
Que nem as putas!
Se as coisas dão errado, é sempre culpa sua.
Que nem as putas!
Você sempre acaba fazendo serviços de graça para o chefe, os amigos etc.
Que nem as putas!
Apesar de tudo isso, você trabalha com prazer.
Que nem as putas!

Porém, na verdade:

O médico tem uma vida pior do que as putas!

– Puta não atende convênio.
– Puta recebe na hora.
– Puta não dá recibo nem nota fiscal.
– Puta não declara seus clientes para o Imposto de Renda.
– Puta não preenche guias e papeladas.
– Puta não precisa ter contador.
– Puta não paga sindicato, associações nem Conselho Regional.
– Puta não segue código de ética.
– Puta não precisa ir a congressos e cursos.
– Puta não precisa revalidar título de especialista.
– E tem muita puta por aí ganhando mais do que médico!

PUTA QUE O PARIU  .....!!!!!!!!